sexta-feira, agosto 12, 2005

Revendo... Moulin Rouge

nicole1.jpg



Em férias apetece-me sempre rever um ou outro filme, reler um ou outro livro. Há mais tempo, mais tranquilidade para apreciar e a pressão das estreias (no caso do cinema) é muito menor. Foi nesta onda que revi “Moulin Rouge”.
Imagino que muita gente não aprecia musicais. Imagino também que a exuberância quase barroca deste filme possa parecer, a muitos, exagerada. Eu confesso que gosto de musicais, que gostei deste na primeira vez em que o vi, comprei o DVD e já revi mais que uma vez, descobrindo sempre novos pormenores que me divertem.
A atmosfera é delirante, todo o cenário do filme nos leva a uma época que, de alguma forma, imaginamos e mitificamos. A época do can-can, das cortesãs dos cabarets de Paris, dos pobres poetas enamorados, da decadência “cultivada”. Misturar tudo isto com música actual muito conhecida, um argumento a um tempo divertido e cheio de clichés românticos propositadamente trazidos à acção para recrear aquilo que os romances da época nos impingem e para alternar sabiamente o riso com a lágrima, é genial. Falar dos intérpretes, nem sei se vale a pena. Juntar Nicole Kidman (que até canta) e Ewan McGregor (que canta bem) com outros que os secundam na perfeição, é uma escolha sem defeito.

ewan1.jpg


Para quem já viu e para quem não viu (vá ver, ora essa…) saliento as cenas no cabaret (extraordinária a primeira aparição de Satine, alternando canções como “Diamonds are a girl’s best friend” e “Material girl”), os duetos românticos (dois cantores profissionais não teriam feito melhor) e a cena que sempre me divertiu mais no filme, “Like a virgin”, perfeitamente hilariante.
A sugestão fica, bem como um “cheirinho” da música. Para ver ou rever.

3 Comentaram:

Blogger TMara disse...

concordo contigo sobre o filme, apesar de algma crítica o ter desfeito. bom f.s Bj e ;)

11:52 da tarde  
Blogger SaltaPocinhas disse...

Nunca vi este filme, nunca calhou.
Mas da maneira que falas dele, deve ser giro. Vou ver!

11:27 da tarde  
Blogger Bárbara Vale-Frias disse...

Para se gostar do Moulin Rouge (ou do idêntico Casino) é necessário saber-se apreciar um musical... e nem toda a gente o sabe.

Depois, no caso do Moulin Rouge, é necessário entrar-se na onda exuberante do filme... o que também não é fácil.

Eu ADOREI!!! Já o vi e revi e revi! ;) Ainda por cima há 15 dias estava eu precisamente por debaixo do verdadeiro Moulin Rouge, em plena Paris! :)))))))

8:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home